Crédito fiduciário: mesmo que garantia seja prestada por terceiro, credor não se sujeita à recuperação judicial


Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram reformar uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que havia submetido um credor com garantia fiduciária aos efeitos da recuperação judicial. No entendimento do TJ-SP, como a garantia tinha sido prestada por terceiro, e não pelo próprio devedor, o crédito foi classificado com o quirografário – ou seja, sem privilégio diante do processo de recuperação.

Para o ministro relator do recurso no STJ, Marco Aurélio Bellizze, ao classificar o crédito como quirografário, o TJ-SP criou uma limitação não prevista na Lei de Recuperação e Falência. Conforme Bellizze, o legislador não fez distinção sobre a titularidade do imóvel dado como garantia. Além disso, o ministro afirmou que não se pode impor ao credor fiduciário que a execução da garantia se torne inviável diante de eventual inadimplência.

O advogado da SPTB, Benoit Scandelari Bussmann, classificou a decisão do STJ como positiva. “Esse entendimento reforça o instituto da garantia fiduciária como instrumento eficaz de proteção ao crédito, mesmo nas hipóteses em que a garantia fiduciária tenha sido prestada por terceiro, que não o devedor”, disse.

A garantia fiduciária é aquela em que a propriedade de um bem imóvel é transferida para o credor até que seja paga a dívida pelo devedor. “A concessão de crédito com garantia fiduciária minimiza os riscos para quem empresta. Na falta de pagamento, o credor poderá promover a venda extrajudicial do bem imóvel, sem a necessidade de recorrer ao Poder Judiciário, em procedimento mais célere”, citou Benoit.

O advogado da SPTB lembrou, inclusive, que uma das premissas da garantia fiduciária é que, na hipótese de recuperação judicial, o crédito não está sujeito aos efeitos dessa medida jurídica. “Ou seja, na hipótese de falta de pagamento pelo devedor, o credor fiduciário poderá promover a venda extrajudicial do bem e satisfazer o seu crédito, que não fica sujeito nem ao cronograma do plano de recuperação judicial, nem ao concurso de credores”, finalizou.


BENOIT SCANDELARI BUSSMANN

Compartilhe este artigo através do LinkedIn.

Cadastre seu e-mail.
Receba mensalmente o Informativo SPTB.

Rua Ver. Washington Mansur, 292 – Ahú
CEP 80.540-210 – Curitiba – Paraná- Brasil

secretaria@sptb.adv.br
|+55| 41 3079 0200